migrações
migrações

Fazer das migrações uma escolha, mais do que uma necessidade, é a proposta que a Cáritas apresentará no Fórum Global sobre Migrações, que acontecerá em Manila (Filipinas) de 27 a 30 de outubro.

A Cáritas, recorda um comunicado recebido pela ZENIT, exortará os governos a se concentrarem na proteção dos migrantes, assim como na promoção do desenvolvimento dos países mais pobres, através do apoio aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, com o objetivo de diminuir as migrações forçadas.

Durante o encontro de Manila, sobre o tema «Dar mais poder aos migrantes no desenvolvimento», a Cáritas Internacional sublinhará a necessidade de dar possibilidades sobretudo às mulheres, para reduzir o número de pessoas obrigadas a abandonar seu próprio país.

«As mulheres que buscam trabalho no exterior para poder sustentar suas famílias e educar seus filhos são particularmente vulneráveis à exploração se não forem protegidas», afirma Martina Liebsch, coordenadora da Cáritas Internacional para as migrações, o tráfico humano e as questões de gênero.

Cáritas pedirá, portanto, uma maior defesa das mulheres durante a viagem, que sejam informadas de seus direitos, assim como a adoção de uma política migratória sensível à questão de gênero por parte da comunidade internacional. Da mesma forma, a organização sublinha a necessidade de dar maior atenção ao tráfico de crianças e adolescentes.

Os habitantes dos países em vias de desenvolvimento utilizam com freqüência as migrações como estratégia de sustentabilidade e de diversificação das entradas econômicas, mas os custos da viagem e de suas vidas no exterior podem trazer mais pobreza e insegurança ao invés de melhores condições de vida.

«O direito de não se verem obrigados a migrar deveria ser um elemento essencial de qualquer discussão sobre as migrações», observa Liebsch.

Em um nível mais amplo, a Cáritas pedirá que a voz dos migrantes seja escutada e reforçada mediante o diálogo, desejando também a criação de canais legais e seguros para a migração com fins trabalhistas, para ajudar as pessoas a evitarem a exploração.

Em 2010, a Cáritas organizará uma conferência para analisar os custos sociais das migrações femininas nas relações, nas famílias e na sociedade em geral.

Fonte: Zenit. O mundo visto de Roma

One thought on “Cáritas: imigração como escolha, não só necessidade”

  1. Daniela eu tentei escrever esse coemntario na reportagem sobre a Africa,porem nao cosegui. Olha, um dos meus sonhos é poder, um dia (nao muito distante), conseguir ir na Africa p poder ajudar um pouquinho essas crianças. é um sonho q aos olhos de todos é impossivel,mas mantenho esse desejo em meu coração e espero um dia realiza-lo. Acompanhei uma reportagem de Roberto Cabrini sobre a Africa e aquilo me chocou muito. Porque temos tanto diante deles e muitas vezesnao valorizamos. Existe um site que tem um projeto em Luanda, em Angola. Um projeto de cosntruir um orfanato e escola. Muito lindo o projeto e é uma pena q eu nao posso ir em janeiro com eles p poder ajduar. Se caso vc tiver interesse Daniela em ver, é so visitar o site http://WWW.TENHOFOME.COM.BR

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.