O presidente da França, Nicolas Sarkozy, realizará um encontro com o presidente Lula, nesta terça-feira, dia 12, na cidade de Saint-Georges, Guiana Francesa, colônia da potência européia, fronteiriça com o Estado do Amapá por meio do rio Oiapoque, no extremo norte da costa brasileira, à porta do Caribe. Dentre diversos temas a serem tratados na reunião, o comércio de crianças nos garimpos daquele país também estará na pauta do encontro.

O comércio de crianças amapaenses e paraenses é intenso na Guiana Francesa e no Suriname, principalmente em cidades como Kourou, onde fica a base francesa de lançamento de satélites; o balneário de Montjoly e Saint Laurent. Meninas e meninos amapaenses e paraenses são bastante apreciados em “bacanais”, corrompidos por promessas de casamento com franceses ou pela possibilidade de ir para a Europa, onde imaginam que possam ganhar até 100 euros, cerca de R$ 400, por programa, escapando, assim, da miséria.

De 200 mil habitantes da Guiana Francesa, 50 mil são brasileiros ilegais, amapaenses em sua maioria, que fogem do Amapá, estado assolado pela miséria social, roubalheira de colarinho branco, nepotismo e corrupção no governo.

A maior economia de Oiapoque é sexo. A cidade é a porta de entrada para a prostituição internacional na Amazônia Caribenha. Antes de meninas e meninos seguirem para as três Guianas, passam, geralmente, por um “estágio” em Oiapoque. Boates locais constituem-se no internato que “prepara” meninas e meninos. 

Notícia composta com dados da Agência Amazônica de Notícias.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.